terça-feira, 21 de abril de 2015

LAAD Defence & Security 2015

Na semana passada, por motivo de trabalho, caí de paraquedas numa feira internacional de segurança. Chamada LAAD Defence & Security, a feira acontece de dois em dois anos no Riocentro e, a princípio, não despertou muito minha curiosidade. Mas quando quando precisei ficar dois dias consecutivos na feira percebi o quando ela é importante e o quando precisamos estar atentos a algumas coisas.

A primeira impressão que eu e outras pessoas tiveram é que precisamos dar graças a Deus pelo Brasil não estar e guerra. Digo, guerra contra outros países, pois sabemos que vivemos uma guerra particular aqui que mata por ano 50 mil pessoas. Mas o pouco que nossos amigos apresentaram já foi suficiente para perceber como estamos atrás quando o assunto é tecnologia em defesa e segurança.

Ok. Nós não estamos em guerra, mas penso que o investimento em defesa é muito necessário víde nossas fronteiras livres para entrar armas e drogas todos os dias no país. Algumas pessoas ficaram assustadas com isso e chegaram a conclusão que não resistiríamos a 10 minutos de guerra se fosse preciso.

Por outro lado, algo que ouvi muito foi o frenesi causado pelo estande de Israel, que impressionou a todos por sua tecnologia avançada em vários aspectos. Quem passava pela parte de Israel voltava impressionado e falando sobre isso. Israel que vive em um ambiente super hostil cercado de inimigos por todos os lados. Então eles certamente precisam se defender e estar preparados para uma guerra iminente.

Pelo nosso lado brasileiro, uma decepção, em visita ao estande da UNASUL (União das Nações Sul-Americanas) e ouvir do general que lá estava que, ao ser perguntado sobre a barreira imposta pela língua (Já que o Brasil é o único país do sul que não fala espanhol), responder que pediria para eles falarem devagar para a gente entender. Como assim? Como falar em integração com nossos vizinhos sul-americanos com essa má vontade em aprender a língua deles? Enfim...

Impressionante como as pessoas gostam de armas, pelos menos as que foram à feira. O tec tec no estande das pistolas Taurus e Glock era ouvido o tempo todo. E fotos e mais fotos eram tiradas com essas armas. Não sou muito chegado a armas não, mas percebi um pouco do fascínio que ela causa nos curiosos em ter uma nas mãos.

Por fim senti falta de uma coisa. O inglês. Num lugar em que mais de 70 países foram representados, a língua estrangeira era fundamental. Bom para vencer essa birra que tenho dessa língua e ir correndo aprender, agora mais que necessário. Ainda deu para tirar uma foto perto da réplica do caça Grippen, que a SAAB, empresa sueca que o fabrica, trouxe para o país. O Brasil comprou 36 deles e cada um vale, acho que U$ 150 milhões. Tirei algumas fotos da feira, espero que gostem.

Grande abraço a todos.











3 comentários:

  1. Boa noite camarada! Andei sumido (e ando), por motivos de saúde e família, aos poucos to voltando.

    Tudo ligado a guerra, armas acaba se tornando um fascínio de todo garoto, que as vezes carrega até a vida adulta. Daí a vontade de ter o porte de uma arma de fogo, que quase sempre é vendida em mercados negros. Sem uma política de segurança publica que dê atenção a redução dos homicídios, o Governo simplesmente diz à sociedade: “A vida vale muito pouco no Brasil”. Isso porque comprar mais armas, viaturas, rádios e coletes apenas, sem tecnologia de ponta, como sistemas de comando e controle é fazer a mesma coisa de décadas, alimentando o espetáculo do tiroteio, cacetadas, prisões etc.

    PS: Meu sonho é fazer um curso de Inglês, mas tá caro viu? rs

    Abraços,
    Fique na paz,
    Dan.

    ResponderExcluir
  2. Você tem toda razão, é só conversar com alguém que trabalha para o exército ou coisa do tipo e vai saber que tudo o que diz é a mais pura verdade. Em caso de guerra (Deus nos livre dela!) estamos muito mais ferrados!

    ResponderExcluir